Você está por dentro do Masternode?

A descentralização é, sem dúvida, um dos principais fundamentos conceituais e revolucionários da tecnologia blockchain, que surgiu como suporte ao Bitcoin, mas tem demonstrado seu potencial de uso em diferentes aplicações, como é o caso dos smart contracts. E ela tem a ver, basicamente, com o fato de o blockchain funcionar a partir de uma base distribuída de usuários, que atuam registrando e validando ações e operações.

Dessa ideia central, surgem modalidades de um dos importantes fundamentos do universo dos criptoativos, os mecanismos de consenso. Eles são, basicamente, processos que permitem a validação das transações e a inclusão de novos blocos válidos na blockchain. E falamos assim, no plural mesmo, porque, no surgimento do Bitcoin, havia apenas uma modalidade.  Mas, hoje, esse cenário se diversificou e trouxe novas perspectivas, como os masternodes.

Lendo esse blogpost, você vai entender melhor o que significa o masternode, bem como seu potencial de investimento. Para o CBO da Cointrade, Rocelo Lopes, é um mercado que pode gerar rentabilidade anual superior a 100%.

Para entender melhor os sistemas de consenso

Para introduzir o assunto, vale a pena falar um pouco mais sobre  os sistemas de consenso. No caso do Bitcoin, a primeira moeda digital da história, e de outras moedas que ainda podem ser mineradas, vigora o chamado proof of work (prova de trabalho). O PoW é um protocolo de validade de transação recebido pelo minerador que chega à solução de um enigma criptográfico, sendo recompensado com criptomoedas.

Nesse caso, o algoritmo funciona tendo todos os servidores, ou nós, envolvidos no processo, como forma de garantir consenso na checagem das operações, bem como a segurança do blockchain da moeda. É um processo que exige softwares de altíssima capacidade operacional e consome muita energia elétrica. Sem contar que os problemas matemáticos propostos ficam cada vez mais difíceis.

São  entraves que acabaram sendo a deixa para propostas de novas técnicas, como a proof of stake (prova de participação), na qual um nó é escolhido, aleatoriamente, dentre os chamados validadores, para autenticar o próximo bloco de operação, também recebendo recompensa. A condição para ser um nó validador é deter uma determinada quantidade de moedas e, quanto maior a fatia, mais chance de ser escolhido para as próximas operações. O PoS é adotado por criptomoedas cujo volume está completamente disponível no mercado, não podendo ser mineradas, mas precisando certificar transações via blockchain.

Essa noção é o que dá base para o formato bem similar aplicado nos masternodes. Traçando um paralelo, podemos pensar nas redes de masternode como blockchain próprias das criptomoedas, a partir do norte de consenso por participação.

Masternode agrega funcionalidades e é bom investimento

Um grande diferencial do masternode tem a ver com o fato de eles serem o que se chama de full node, na linguagem técnica. Trata-se de servidores que mantém a cópia completa da rede blockchain, em tempo real, agregando, ainda a execução de diferentes tipos de serviços. Dentre as funções especiais executadas por esses servidores completos, estão itens como a instantaneidade e o aumento da privacidade das transações, a participação em sistemas de governança e votação, além da habilitação de sistemas de orçamento e tesouraria em cripto.  

Para quem está de olho no masternode como modalidade de investimento, vale a pena se informar e investir nesse mercado. Estima-se que haja por volta de 360 moedas agregadas a esse sistema de consenso, com uma capitalização que ultrapassa os 3 bilhões de dólares e uma perspectiva de ROI que gira em torno de 24%. Um servidor e um endereço de IP dedicado são elementos de infraestrutura mínima para a configuração de um masternode.

A lista de  todos os masternodes disponíveis pode ser encontrada no masternodes.online. Vale a pena acessar e conferir todos os detalhes!

Passados 10 anos do lançamento do Bitcoin, a realidade e o futuro do novo mercado financeiro, que tem os criptoativos como protagonistas, estarão em cena em mais uma edição do prestigiado LaBITConf. Os benefícios da tecnologia blockchain e o cenário latino-americano para o segmento são outros temas em pauta, num dos principais eventos internacionais da área.

Essa é a sexta edição do LaBITConf, que acontece entre os dias 05 e 08 de dezembro de 2018, em Santiago, capital do Chile. A programação é destinada a empresários, representantes de organizações públicas e privadas e membros do ecossistema de moedas digitais, reunindo alguns dos principais nomes internacionais relacionados aos temas em debate. Serão palestras, painéis e debates, além de uma sessão de lançamento de produtos para a América Latina, na qual o CBO da Cointrade, Rocelo Lopes, lança um pioneiro Index Fund lastreado em criptomoedas.

Cenário exchange, na visão de Rocelo Lopes

 

Uma das importantes linhas de negócios do mercado das moedas digitais surge com as exchanges, como a Cointrade, uma plataforma on-line de compra, venda e operação financeira com criptomoedas. E as estratégias das exchanges da América Latina serão o tema do painel que está na agenda da manhã do segundo dia do LaBITCoinf, com a participação de Rocelo Lopes, que representa a Cointrade, como CBO da plataforma.

Ele é um dos três painelistas brasileiros, junto com a cofundadora da Blockchain Academy, Rosine Kadamani, e Fernando Ulrich, representante da XDEX. Na sessão dedicada ao lançamento de produtos, marcada para a tarde e encerramento do evento, Rocelo apresenta o fundo de investimentos que está trazendo ao mercado, de forma pioneira na América Latina, que permite montar uma cesta de investimentos com lastro em um portfólio de ativos digitais, dentre eles as 10 principais moedas digitais do mercado atualmente. Uma das principais vantagens deste novo fundo é o fato do investidor não precisar se envolver na gestão e armazenamento dos ativos, reduzindo despesas operacionais.

A viabilidade da operação do novo Index Fund se dará por meio do token BLU. Além da StratumBlue, plataforma criada para viabilizar a compra do token, as outras empresas do ecossistema de negócios crypto gerenciado por Rocelo Lopes também darão suporte à iniciativa. Os usuários da Cointrade poderão adquirir o BLU, com Bitcoin, Ethereum ou cartão de crédito.

 

Nos dias 16 e 17 de novembro, a capital Argentina vai respirar os ares do mercado crypto. Buenos Aires será a sede da C20 Conference Bitcoin + Blockchain, tida como o mais importante evento mundial de criptomoedas em língua espanhola. Numa estrutura preparada para receber mais de 3 mil participantes, a iniciativa está no foco da agenda internacional, reunindo os grandes experts em  moedas digitais e blockchain.

A programação inclui seminários, workshops, painéis e sessões de bate-papo, além de abrir oportunidades de negócios e networking, fundamentada numa agenda temática de ponta: inovação tecnológica, questões em torno de políticas públicas e regulação do mercado crypto estarão em pauta.

Nesse cenário, a Cointrade terá dois de seus diretores conduzindo um painel cujo tema é o Cripto Ecossistema Brasil. Nossos CBO Rocelo Lopes e COO Eliane Medeiros conduzirão a conversa que vai tratar do perfil e dos rumos do cenário das criptomoedas e do blockchain no território brasileiro. A conversa está marcada para o dia 17 de novembro, segundo dia do evento, às 14h55.

Fortaleza também realiza edição Summer da BitConf

Paralelamente, a capital do Ceará também realiza, nos dias 16 e 17 de novembro, a BitConf, considerada um dos mais tradicionais eventos nacionais do segmento de criptomoedas. Acontecendo pela primeira vez no nordeste, o evento ganha o conceito Summer Edition.

Será outro grande momento para o debate em torno das tendências e do mindset presente no mundo do blockchain e das moedas digitais. A Cointrade estará no evento, representada pelo CEO, Marcos Lima, aproveitando a geração de negócios oportunizada pela presença de grandes players e soluções de mercado. As soluções completas para o crypto trading, trazidas pela plataforma poderão ser conhecidas e acompanhadas de perto pelos participantes da BitConf.

Os principais nomes nacionais e internacionais do mercado de Blockchain e Criptomoedas estarão reunidos no maior evento do país sobre o assunto e que promete ser um dos destaques da agenda internacional do segmento. O Fórum Blockmaster terá mais de mil participantes, numa estrutura de 25 stands e 3 auditórios, com mais de 14 atividades englobadas, e acontece nos dias 12 e 13 de novembro, no Centro Fecomércio de Eventos, em São Paulo. A Cointrade é uma das Patrocinadoras Ouro do evento e tem diretores compondo o quadro de palestrantes, participando dos importantes debates conduzidos no evento.

Para mais informações sobre o evento e inscrições, acesse à página oficial do Blockmaster 2018.

Sobre a Cointrade

A Cointrade é uma plataforma que permite fazer negociações de compra e venda de criptomoedas em um modelo semelhante ao da Bolsa de Valores, 24 horas por dia de segunda a segunda. Os usuários da plataforma podem aproveitar a chance única de imersão no mundo das moedas digitais, com 30% de desconto na inscrição para o Fórum Blockmaster.

 

A Cointrade chega ao mercado como uma nova opção de investimento que atende desde os mais experientes até quem está começando no negócio.